Direito à Segurança no Trabalho, direito à vida do trabalhador!

 em Geral

No Brasil, a cada 48 segundos acontece um acidente de trabalho. Há cada 24 horas um trabalhador morre. Esses dados são do Ministério Público do Trabalho e são alarmantes por si só. De 2012 até 14 de Agosto deste ano, o país registrou 4,27 milhões de acidentes no trabalho. É um cenário alarmante, que lembra países em guerra. Hoje o Brasil é o 4º país do mundo que mais tem acidentes de trabalho, e o pior, esses dados estão muito aquém de registrar a realidade, isso acontece por que a maioria das empresas, para evitar os impostos, se recusam a tirar CAT’s (comunicação de acidente de Trabalho), a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) realizada pelo IBGE, em 2013, mostrou que para cada acidente de trabalho registrado pela Previdência Social, há quase sete acidentes não declarados oficialmente.

O número de óbitos no trabalho aumentou mais de 30% desde a década de 70 e aumentou mais de 600% o número de doenças ocupacionais. E por que isso aumentou tanto? Não era de se supor que as coisas andariam para frente e melhorariam?

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA

O adoecimento e morte de trabalhadores está diretamente ligado ao modelo econômico vigente no mundo: o capitalismo, que visa o lucro acima da vida. Por ser assim, os patrões procuram sempre aumentar os seus lucros, e para isso precisam aumentar a exploração. Quanto menos gastarem com salário, segurança e direitos, mais sobra pra eles! Assim, eles estão sempre desenvolvendo mecanismos para que trabalhemos cada vez mais, ganhando cada vez menos.

Esses mecanismos não são difíceis de se observar: as jornadas de trabalho se tornam cada vez maiores, a pressão para se produzir mais em menos tempo aumentam, empresários fazem conluios com governos para que se aprovem leis que diminuam os direitos, economizam com segurança e fingem que está tudo certo apenas quando há visita da fiscalização, e um grande etc.

O problema é que o fato de os patrões nos enxergarem como máquinas não nos transforma em máquinas. Nossos corpos vão se desgastando com o ritmo insano de trabalho, o stress aumenta e daí surgem as doenças ocupacionais como a LER/DORT, as dores lombares e as doenças respiratórias. A pressão imposta pelo ritmo de trabalho e pelo assédio dos gestores acaba por gerar problemas de saúde mental, diminuir o potencial de atenção do trabalhador e até debilidades físicas que causam os acidentes.

Existe uma tendência das empresas de sempre tirar o corpo fora, e colocar a responsabilidade sobre os acidentes no “comportamento inseguro” dos trabalhadores. Mas uma série de estudos e o próprio Ministério do Trabalho mostra que as condições de trabalho, incluindo a extensão da jornada, as práticas de gestão do trabalho e exigência de produção são determinantes para o acidente.

Ou seja, os lucros dos patrões têm colocado cada vez mais nossas vidas em risco. Por isso vivemos um cenário parecido com o de guerras, com tantas mortes. É uma guerra dos patrões contra os trabalhadores em nome do lucro. E essa é a razão pela qual precisamos nos organizar para nos defender, lutando em defesa de ambientes seguros de trabalho, de jornadas e ritmos de produção que sejam executáveis e garantam segurança para nós mesmos e para aqueles que nós atendemos. Defender nossas condições de trabalho nada mais é que defender nosso direito à saúde e à vida!

Foi o nome dado ao conjunto de mudanças no mundo do trabalho à partir dos anos 90. Foi quando as políticas neoliberais dos governos começaram a ser aplicadas à todo o vapor: fim de direitos trabalhistas, privatizações e repressão. O objetivo delas foi facilitar para os grandes empresários aumentar cada vez mais seu lucro, em detrimento das condições de vida dos trabalhadores.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Olá, envie sua mensagem!